Sobre

...Além do produto, a Farrapo busca elevar autoestima e consciência, ao somar design, bom gosto e coerência.

(Daiana Lopes, Jornalista.)  

  De produtos estamos cheios! O que realmente precisamos são boas ideias, e é justamente do que são feitas nossas roupas. Aqui a principal matéria prima é a criatividade e o valor de cada peça é costurado com calma e afeto.

  Tendo a sustentabilidade como ideal, optamos por produzir com materiais que já existem, dando assim um novo sentido para tecidos esquecidos ou incompreendidos. 

Nossa produção é resultado de um processo artesanal de recuperação de tecidos em desuso de diversos tipos, desde refugo da indústria a roupas vintage, a essa técnica damos o nome de Upcycling hoje em dia. 

Mas a feitura precede o termo, lembro bem de minha avó costureira fazendo tapete com retalho de malha, vestido com camisa... não só por necessidade

essa forma de construir roupas se faz notável na atualidade, é preciso disposição e coragem para estar além de um sistema consumista consolidado, que na corrida pela modernidade deixou joias raras para trás e recursos naturais e humanos enterrados no chão.

 (A designer)

Colaborações

Molde AG

Renata Accioly

Cria Sua

Daiana Lopes

eucrieiafrrpo
eucrieiafrrpo

press to zoom

press to zoom

press to zoom
eucrieiafrrpo
eucrieiafrrpo

press to zoom
1/8

Fundada em 2012, a Farrapo acredita em novas formas de ver o mundo e o consumo. Foi pioneira ao adotar a técnica do Upcycling em sua produção e sempre esteve vinculada às novas economias.

 

Sediada na cidade de Curitiba, atualmente é integrante da Casa 102, laboratório de projetos colaborativos e abrigo de mais de 30 marcas locais.

 

Além disso, a designer Kamila Olstan também administra o Banco de Tecido de Curitiba, negócio de economia circular que oferece uma solução inteligente para gestão de materiais têxteis.